Um truque de cordas e um concurso de talentos colocam na ribalta mágico lousadense

    COMPARTILHE

    Eu sou Amâncio Coelho, de trinta e nove anos, e sou mági­co”

    É esta a apresentação deste talento de 39 anos, natural da freguesia de Lustosa, do conce­lho de Lousada. Mágico há vinte anos, proporcionou, no passado domingo, um dos momentos al­tos do programa de talentos da RTP “Got Talent”, conseguindo os três ‘sims’ do júri e com isso a possibilidade de passar à pró­xima fase. Tudo isto numa atua­ção de dois minutos e meio, com um nervosinho à mistura: “O que lá fui fazer já faço há muitos anos. Com esta atuação, con­segui ter uma projeção maior. Em vez de cem ou duzentas pes­soas a ver este truque de magia, estiveram dois a três milhões. Foi muito bom o que aconteceu. Só temos aquele tempo e sabe­mos que se algo corre mal está tudo estragado”, refere o mágico.

    Na atuação, o palhaço Tochas, membro do júri, foi chamado ao palco para ser interveniente no truque, o que elevou a respon­sabilidade e também o nervo­sismo: “Ele lida de certeza com bastantes mágicos e talvez te­nha conhecimentos mais abran­gentes a este nível que outro membro do júri. Vou sempre nervoso para os espetáculos. É o sentido de responsabilidade. Vamos atuar e fazer o nosso me­lhor e esperamos que as pessoas gostem”.

    Foi através do pai, que no passado estudou hipnose, que Amâncio Coelho começou a interessar-se pelo ilusionis­mo. “Eu estava a ver programas de hipnose e pensava que aquilo era tudo encenado. O que ele me dizia era que não. Através dos livros dele, tive curiosidade e através da hipnose esbarrei com o ilusionismo, com a magia”, conta.

    As primeiras atuações foram com os amigos, a quem apre­sentou os seus primeiros tru­ques, tanto de hipnose como de magia: “Eles achavam que a hipnose era uma palhaçada e foram buscar um coelho e pus o coelho a dormir e a fumar. Já com a magia, acompanhando um programa de televisão, eu referi que sabia alguns truques. Lembro-me que na altura foram muito mal feitos, mas foi assim, os primeiros truques foram para os meus colegas”.

    Apaixonado por esta arte, Amâncio acompanhou desde os seus primeiros anos as grandes figuras do ilusionismo mundial, tais como Paul Daniels , David Coperfield e Luís de Matos, mas outras referências foram surgin­do: “Tive depois outras referên­cias portuguesas e meus amigos: Hélder Guimarães, campeão do mundo de magia, David Sousa e o Mário Daniel, pessoas que elevaram a magia em Portugal e também no estrangeiro”.

    Para o mágico, a magia está bem melhor nestes últimos anos. Considera que “há uma nova massa mágica”. A tecno­logia, nomeadamente a internet, tornou tudo mais fácil : “Quando comecei não havia nada, a leitu­ra era reduzida, era mais difí­cil ser-se mágico, tínhamos de pensar mais para fazer as coi­sas. Agora temos de ter atenção, mais atenção, para que o truque não pareça uma cópia de uma outra atuação”.

    O que é magia para Amâncio Coelho? “É um encanto, é algo que nos leva a ficar 24 horas por dia sempre focados em al­guma coisa que nós possamos usar nos espetáculos”.

    Para o mágico a satisfação maior é ver os sorrisos das pes­soas que assistem aos seus tru­ques, truques esses que até este momento têm sido apresentados em festas, casamentos, batiza­dos, aniversários e em alguns espetáculos de palco.

    Ser um bom ator, ter talento, destreza e muito treino são os fatores necessários para se ser um bom mágico: “É um talento que depois tem de ser traba­lhado. Um mágico nunca está completo, há muito treino por detrás dos truques. As pessoas veem um clique de dedos onde algo aparece ou desaparece, e parece fácil, mas há um traba­lho que não é visto, moroso, que às vezes é desvalorizado”.

    O truque da corda foi o es­colhido para a apresentação no programa. Uma corda perfeita­mente normal, que impressio­nou o júri e a plateia, uma corda que abriu novos horizontes para o futuro do artista. “Estou pre­parado, foi mais um abrir de portas e janelas para uma coi­sa em grande, que vai aparecer dentro de pouco tempo. Agora vão ser os diretos, que é uma parte que nos pode colocar um bocadinho mais nervosos, mas penso que poderá ser melhor. A tensão será maior e, quanto mais avança o programa, maior a qualidade e mais feroz será a competição. Gostava de ganhar, mas o principal objetivo foi e é participar e fazer boa figura. Acho que também é muito posi­tivo para a nossa freguesia, para Lustosa e para Lousada”, afir­ma, com satisfação.

    Natural de Lustosa, concelho de Lousada, considera muito importante os afetos da terra: “Grande parte dos meus amigos já tinha visto este efeito mágico. Outros, que não me conhecem, congratulam-me e isso significa que nós atuamos bem, é positi­vo”.

    Esta história feliz contras­ta com um momento de luto. Amâncio Coelho, nos últimos meses, perdeu quatro familia­res, um deles o pai: “O meu pai sempre gostou do espetáculo. Ele aprendeu guitarra só de ouvido, sonhando um dia es­tar nos palcos. Tenho a certe­za que seria agradável para ele assistir a este momento. Ficaria contente pelo filho”, refere, emo­cionado.

    São muitos os sonhos deste jovem, que espera no futuro fa­zer um espetáculo de palco, com números maiores e stand up. “A exposição da TV é diferente do que entregar um cartão, é a caixinha mágica, é mágico”, conclui.

    Capturar2